sábado, 26 de novembro de 2011

Anápolis : Corredor exclusivo leva 15 vezes mais pessoas

25/11/2011 - TCA

A faixa exclusiva ou corredor de ônibus, segundo pesquisas, leva até 15 vezes mais pessoas porhora que a faixa de carros ao lado. É uma política inteligente e justa, econômica e ecológica. Inteligente porque há muito mais pessoas dentro dos ônibus que nos carros, justa porque privilegia as pessoas que dependem do transporte da massa para fazer deslocamentos, econômica porque gera um custo muitas vezes menor ao governo e à sociedade que o aumento da frota de carros e ecológica porque diminui a quantidade de veículos nas ruas.

Nas cidades de médio porte, como Anápolis, a solução para o transporte coletivo urbano mais imediata e eficiente é investir em corredores, mas enquanto os consultores são unânimes em avaliar que apesar do ônibus ser o meio de transporte mais inteligente, justo, econômico e ecológico, o governo está priorizando o transporte individual de forma ilógica.

Anápolis já criou duas linhas exclusivas de ônibus:Travessa João Buta, perto do Terminal Urbano, e Avenida Brasil Sul, trecho Rua Amazílio Lima - Kartódromo Internacional. Duas experiências que resultaram em fluidez do trânsito e melhoria da qualidade de vida. Antes da criação da faixa exclusiva, o trânsito perto do Terminal Urbano era congestionado na Travessa João Buta.

Na Avenida Brasil Sul, o corredor do eixo estrutural melhorou a vida de aproximadamente 15 mil trabalhadores do Daia, que usam o transporte coletivo, apesar do gargalho do cruzamento com a BR 060. Este projeto foi encomendado pela TCB e vai ser implantado no Eixo Monumental, em Brasília.

A curto prazo, impõe-se a ampliação do corredor da Avenida Brasil até o cruzamento com a Avenida Goiás. A médio prazo seria implantado a faixa exclusiva da Avenida Goiás, que permitiria, num estágio mais avançado, a ligação ao Terminal Urbano, na Praça Americano do Brasil, com opção de chegada pela Rua Gal. Joaquim Inácio e saída pela Rua Eng. Portela. Outro corredor de ônibus seria projetado para resolver os problemas do trânsito no setor leste, o que mais cresce em Anápolis, ligando o Terminal Urbano ao Viaduto Airton Senna, que exigiria a criação de faixa exclusiva na Avenida Mato Grosso e alargamento de trecho da Avenida Geraldo de Pina, no Anápolis City. Dois corredores beneficiaram a região norte: o primeiro ligaria o viaduto da saída para Corumbá de Goiás, nas imediações do bairro Recanto do Sol e Faculdades Evangélicas, através da Avenida Brasil Norte, às avenidas Fayad Hanna e Xavier de Almeida, que fazem conexão com o Terminal Urbano. O outro corredor norte ligaria o terminal à Vila Jaiara, via avenidas Presidente Kennedy e Fernando Costa

A abertura destes corredores resultaria em acentuada melhoria do transporte coletivo e da qualidade de vida das pessoas que embarcam, desembarcam ou fazem a integração no terminal, com reflexos positivos no trânsito em geral, porque quanto mais eficiente for o transporte de público haverá menos carros nas ruas e melhor acessibilidade para a população,especialmente para os trabalhadores.

Corredores são projetos recorrentes, justificados pelo volume da frota de 180 mil veículos automotores, que será dobrada em menos de 10 anos se não for estimulado o uso do transporte coletivo. O alargamento de vias expressas exigiria altos investimentos e demandaria um tempo que a cidade não poderia esperar. Em cinco anos, o trânsito de Anápolis entraria em colapso. Levando-se em conta a questão do baixo custo e a facilidade de implantação, a alternativa mais viável para o trânsito de Anápolis está na criação de corredores e faixas exclusivas de transporte coletivo, uma solução simples, rápida e econômica. Além de beneficiar os usuários do transporte de massa, racionaliza e democratiza o trânsito

Faixas exclusivas para os ônibus não representam diminuição de espaço para os demais veículos: corredor viário estrutural com faixas preferenciais de transporte coletivo é logística de Primeiro Mundo e solução técnica que beneficia não apenas o sistema de transporte coletivo, mas o trânsito das cidades como um todo. Otimiza e racionaliza a utilização da infra-estrutura de transporte existente e beneficia motoristas, passageiros, motociclistas, ciclistas e pedestres. A criação de faixas exclusivas e corredores é uma tendência nas grandes e médias cidades, como Anápolis.

Para o Sr. Lacy Martins da Silva é obrigação da TCA assegurar à população mais que transporte de qualidade: avançamos em tecnologia sem perder a característica de empresa humana, que oferece o que há de melhor aos seus clientes, investindo na otimização do sistema e na implementação de ações de responsabilidade social, ambiental e cultural. O diretor da TCA observa que a criação de novas faixas exclusivas e corredores para o transporte coletivo beneficiará a todos ao levar mais clientes ao comércio e prestadores de serviço, maior segurança às indústrias e melhor qualidade de vida à população.

domingo, 20 de novembro de 2011

Projeto de corredor no Universitário servirá de modelo para Av. 24 de Outubro

19/11/2011 - Portal 730

A Companhia Metropolitana de Transportes Coletivos (CMTC) pretende utilizar o preferencial Universitário para implantar outros corredores para ônibus em Goiânia.

De acordo com o Presidente da CMTC, José Carlos Xavier, destaca que em Goiânia, além de 14 corredores existem 102 vias de transporte utilizadas na capital. Segundo ele, o corredor universitário será piloto para os demais.

“Nesta configuração de corredor preferencial, nós temos 102 km de vias e 14 corredores. A ideia é que este processo não pare mais”, declara.

O Presidente da CMTC aponta que uma prioridade que será dada pela prefeitura de Goiânia, será no corredor da Avenida 24 de outubro.

Ele considera o trecho como algo urgente, sendo uma via de três km, no entanto, não possui canteiro central, nem possibilidade de haver ciclo faixa, pelo fato de não ter as mesmas caraterísticas da Avenida Universitária, mas garante que vai eliminar os estacionamentos ao longo da via, tendo assim a faixa preferencial dos ônibus.

domingo, 13 de novembro de 2011

Sistema de transporte coletivo de Anápolis vem se tornando referência mundial

30/04/2011 - Jornal O Contexto

O Governo do Distrito Federal, através da TCB, quer importar dois projetos da TCA: o controle das viagens por computador, sem participação humana, sistema único no mundo, e o modelo de Faixa Exclusiva de Ônibus na Avenida Brasil Sul. A revelação está na carta do Presidente da TCB – Transporte Coletivo de Brasília, Jorge Koichi Saiki:“avaliamos que foi de muita importância para a TCB a visita à TCA para iniciarmos o processo de implantação de Faixa Preferencial de Ônibus em Brasília. Outro ponto que despertou a nossa atenção, em Anápolis foi o sistema informatizado de operação das linhas no Terminal Urbano. No futuro necessitaremos da colaboração dessa empresa para adotar modelo semelhante no transporte coletivo da Capital Federal”. A carta agradece a receptividade à comitiva da TCB, que esteve em Anápolis no início de outubro para pesquisar “os diferenciais da TCA”.

NEM O PRIMEIRO MUNDO TEM
Nem as maiores e melhores cidades do mundo possuem controle de sistema de transporte coletivo urbano totalmente informatizado, como Anápolis. Em Toronto, Canadá, cidade com melhor qualidade de vida do planeta, Nova Iorque e Londres, por exemplo, as viagens do transporte de massas são controladas por computador, mas com intervenção humana, enquanto aqui a operação é inteiramente eletrônica. O sistema foi desenvolvido há mais de 15 anos, na própria TCA, que detém um dos maiores índices de automação do país.

ÔNIBUS RASTREADOS POR RADAR
Ao cumprir a sua jornada diária de trabalho e retornar à garagem, o ônibus é rastreado por radar, na portaria, onde é vistoriado. Antes do nascer do novo dia, o veículo está pronto para servir a comunidade e é mais uma vez rastreado por radar ao sair da portaria da garagem, rumo ao terminal, onde o computador central já o espera. Neste computador estão cadastradas em um banco dados todas as viagens a serem executadas diariamente para a totalidade dos itinerários do sistema.

COMPUTADOR “DECIDE” A ROTA
Ao entrar no terminal de passageiros o veículo urbano é novamente rastreado por radar, que informa ao computador central seu número e suas características. Com tais informações, o computador, sem auxílio humano, registra a hora de entrada do veículo e após consultar seu banco de dados “decide” qual viagem o ônibus deverá efetuar.

COMPUTADOR “FALA” AO MOTORISTA
Uma vez escolhida a viagem, o computador “fala” ao motorista e mostra, em um painel, o horário e o destino a serem cumpridos, sem participação de nenhum funcionário da TCA. Tudo é gravado eletronicamente (inclusive a voz) e gerenciado por computador. Sem falhas, sem atrasos e sem supressão de viagens, há mais de 15 anos.

CLIENTE É FISCAL DO SISTEMA
As plataformas de embarque têm o indicativo das linhas pertinentes ao seu setor e a lista dos horários. Por isso os usuários já sabem qual o destino do veículo que acaba de estacionar e o horário de sua partida. Assim, cada cliente por ser um fiscal do sistema.

TEMPO DE VIAGEM É PROGRAMADO
Na saída do terminal, para mais uma viagem, o ônibus é rastreado por outro radar que informa a ocorrência ao computador central. Registrado o horário de saída do ônibus, o computador dispara um cronômetro, marcando o tempo em que o mesmo deverá retornar ao terminal. O ciclo se repete até que o computador “julgue” não mais precisar daquele veículo, quando determina, sem auxílio humano, seu retorno à garagem para ser novamente vistoriado, lavado e revisado.

PARECE FICÇÃO MAS É REAL
Esse sistema, criado na própria TCA, é pioneiro no mundo e garante a realização de todas as viagens programadas, nos horários pré-determinados. A equipe tem o cuidado com a perfeição, pois sabe que os detalhes da operação são registrados e gravados eletronicamente. Coisa de cinema, de ficção, que é realidade em Anápolis há mais der 15 anos.
A informatização garante a regularidade dos horários, a confiabilidade do sistema e contribui para a melhoria da qualidade de vida da população, atração de novos investimentos e geração de empregos. Referencial de Anápolis, o sistema de transporte coletivo urbano é considerado um dos melhores do país.

CORREDOR DE ÔNIBUS DA AV. BRASIL
Outro projeto da TCA que desperta o interesse dos gestores do transporte coletivo do Distrito Federal é a Faixa Exclusiva de Ônibus da Avenida Brasil Sul, o primeiro corredor viário estrutural de Anápolis. No trecho entre a Anadiesel e o Trevo de Daia, o estacionamento é proibido e existe a possibilidade de compartilhamento do tráfego entre o transporte particular e o coletivo, exclusivamente para o acesso de saída e entrada às vias auxiliares. Nos cruzamentos, a prioridade de passagem é do transporte coletivo, permitindo-se que os ônibus reduzam a necessidade de efetuar manobras complexas de parada para embarque e desembarque, que passam a ser feitas no mesmo alinhamento. Essa iniciativa, que futuramente será estendida a outras vias essenciais da cidade, tem como objetivo aumentar a atratividade do transporte público e a velocidade média dos ônibus, reduzindo os tempos de embarque, desembarque e percurso. O corredor permite que uma mesma frota possa fazer mais viagens diárias. Os ônibus passam a enfrentar menor obstacularização por tráfego lento e não necessitam fazer manobras evasivas para desviar de outros veículos.

LOGÍSTICA DE PRIMEIRO MUNDO
O desempenho operacional das linhas do Daia – Distrito Agroindustrial de Anápolis trouxe benefícios ao conjunto do sistema de transporte coletivo da cidade, diminuindo o tempo das viagens num corredor de grande extensão e que concentra acentuado volume de passageiros. Faixas exclusivas para os ônibus não representam diminuição de espaço para os demais veículos. Corredor viário estrutural com faixas preferenciais de transporte coletivo é logística de Primeiro Mundo e solução técnica que beneficia não apenas o sistema de transporte coletivo mas o trânsito das cidades como um todo.
O projeto beneficiou motoristas, passageiros, motociclistas, ciclistas e pedestres e gerou qualidade aos deslocamentos e fortalece a consciência da cidadania, através da democratização dos acessos às oportunidades que a cidade oferece. É um instrumento a serviço da organização do espaço urbano, como indutor do seu processo de ocupação.

ANÁPOLIS ESTÁ NA VANGUARDA
Na avaliação da Diretora Financeira da TCA, empresária Cida Braga, o interesse dos gestores do transporte coletivo de Brasília pelos projetos da TCA comprovam, mais uma vez, que Anápolis vanguarda, não obstante ser uma cidade do interior: “não raramente, empresários e técnicos de vários estados e mesmo do exterior buscam as tecnologias que consagraram nosso serviço como um dos melhores do país, especialmente o sistema de controle informatizado das viagens, a integração total das linhas e a bilhetagem eletrônica de última geração”. Para a empresária, este destaque é fruto do trabalho sério e incessante da equipe TCA, desde 1963.

ORGULHO PARA ANÁPOLIS E PARA GOIÁS

Para o Diretor da TCA, Sr. Lacy Martins da Silva, exportar tecnologia é motivo de orgulho para Anápolis e para o Estado de Goiás, ao mesmo em que gratifica e incentiva a empresa a implantar novos projetos e disponibilizar aos seus clientes atendimento cada vez melhor. “Nossa preocupação, todavia, vai além da garantia da qualidade e da valorização de nossa equipe”, finalizou o empresário, ao ressaltar que a empresa investe na formação das futuras gerações, no social e na preservação do meio ambiente, em sintonia com a filosofia dos diretores da Transbrasiliana, empresários Odilon Walter Santos e Lázaro Moreira Braga.

Fonte: Jornal Contexto

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Em Goiânia, CMTC apresenta projeto do corredor exclusivo na Avenida Universitária

10/11/2011 - G1

A Companhia Metropolitana de Transporte Coletivo (CMTC) apresentou, nesta quarta-feira (9), o projeto da construção do corredor exclusivo para ônibus na Avenida Universitária - também conhecida como Rua 10 -, em Goiânia. As obras, que já começaram, vão custar, segundo a CMTC, cerca de R$ 5 milhões e a previsão de término é abril de 2012.

O eixo, que vai ligar a Praça Cívica, no Centro, ao Setor Universitário, terá 2,7 km de extensão. De acordo com o presidente da CMTC, José Carlos Xavier, o objetivo é melhorar o trânsito na região. “O objetivo é melhorar a fluidez tanto dos ônibus quanto dos veículos”, explica.

Para atingir a meta, o estacionamento de veículos vai ser proibido dos dois lados da avenida. Também fica proibida a conversão em alguns pontos e um sistema eletrônico vai monitorar o trecho.

A Agência Municipal de Obras (Amob) vai ser a encarregada de fazer o sistema de drenagem e a substituição do pavimento. A Companhia de Urbanização de Goiânia (Comurg) é a responsável pela iluminação e padronização de calçadas e quiosques e a Agência Municipal do Meio Ambiente (Amma) vai substituir 270 árvores e plantar outras 800 espécies.

Ciclovia

O projeto prevê ainda a construção de uma ciclovia no trecho. “Uma ciclofaixa será colocada no canteiro central e vai percorrer toda a extensão. Ela começa na Praça Cívica, onde terá um paraciclo [estacionamento para bicicleta], e vai até Terminal da Praça da Bíblia, onde teremos outro paraciclo”, explica o presidente da CMTC.

Ainda de acordo com José Carlos Xavier, o projeto serve de modelo para a construção de outros 14 corredores exclusivos para ônibus em Goiânia.