sábado, 8 de junho de 2013

07/06/2013 - G1 GO

Prefeito de Goiania anuncia bilhete único para embarques de ônibus em até 2 horas


O prefeito de Goiânia, Paulo Garcia, anunciou o programa Ganha Tempo, que consiste na adoção de bilhete único para o transporte coletivo da capital, nesta sexta-feira (7). A novidade começa a valer na segunda-feira (10), mas só para que tem os Cartões Passe Fácil, Integração e Passe Escolar.

Com uma passagem, o usuário poderá fazer até três embarques em duas horas, em qualquer uma das quase 6 mil paradas de ônibus da capital. Atualmente, essa integração só pode ser feita em um dos 19 terminais. O Sit Pass não será alterado, continuando a valer apenas para um embarque. "Estamos promovendo uma significativa melhoria na qualidade de vida dos usuários", declarou o prefeito.

A medida foi tomada após mais um protesto contra o reajuste da tarifa de ônibus, que subiu de R$ 2,70 para R$ 3 no último dia 22 de maio. No entanto, não foi anunciada nenhuma alteração no preço da passagem.

Reajuste

Um novo valor da tarifa de ônibus deve ser divulgado na próxima terça-feira (11), quando se encerra o prazo para a análise do impacto das últimas reduções de impostos federais no preço da passagem. Uma comissão com representantes do Ministério Público (MP-GO), da Procuradoria da prefeitura de Goiânia e dos Procons estadual e municipal está estudando os itens da planilha de custos da empresa concessionária do transporte público e do contrato de concessão.

Para o prefeito Paulo Garcia, não houve erro no cálculo da tarifação. "A redução de preço na compra de qualquer produto que faz parte das nossas necessidades individuais do nosso dia-a-dia é um objetivo que deve ser perseguido por todos nós. Nem sempre é possível, mas sempre é desejada. Existem planilhas técnicas que determinam os valores necessários para o funcionamento mínimo de qualquer atividade, de qualquer cadeia produtiva. Não, necessariamente, o meu desejo individual pode ser alcançado".

Enquanto a redução não acontece, o Procon Goiás continua com o pedido na Justiça para que o valor da tarifa volte ao preço anterior."O valor deve retornar ao menor até que tudo isso seja estudado, discutido e chegado em um acordo", ressalta a superintendente do Procon, Darlene Araújo. Já o Ministério Público instaurou inquérito civil para apurar o caso.

Indignados com o reajuste, estudantes têm promovido uma série de manifestações. Até esta sexta-feira (7), foram cinco protestos. Inclusive, em um deles, treze ônibus foram depredados e 24 pessoas acabaram detidas.

A manifestação mais recente aconteceu na tarde de quinta-feira, quando estudantes interditaram ruas, queimaram pneus, lançaram bombas caseiras e quebraram os vidros de um carro da polícia. "A gente está reivindicando que esse aumento seja cancelado porque já foi comprovado, tecnicamente, que ele é abusivo", disse a estudante Alaíne Rodrigues. Eles também reclamam da má qualidade no serviço de transporte coletivo da capital.