segunda-feira, 23 de março de 2015

Dilma autoriza a construção do BRT de Goiânia

20/03/2015 - Agência Brasil

A presidenta Dilma Rousseff assinou nesta tarde em Goiânia a ordem de serviço para o início das obras de um corredor exclusivo para ônibus. A cerimônia ocorreu na prefeitura da capital goiana, para onde foi convocado um panelaço contra a presidenta pelas redes sociais.

Ao lado do governador de Goiás, Marconi Perilo (PSDB), do prefeito Paulo Garcia (PT) e do ministro das Cidades, Gilberto Kassab, Dilma formalizou o início das obras do BRT (Trânsito rápido de ônibus, na sigla em inglês).

Segundo ela, embora seja uma cidade planejada, Goiânia cresceu e agora precisa enfrentar os desafios de uma cidade grande. "Se tem uma coisa que é valioso é o tempo; o transporte rápido significa que você domina o seu tempo, pode usar para cultura, lazer".

Para a presidenta, é preciso que o governo garanta a locomoção das pessoas. "Ele [o BRT] mudará a articulação do transporte daqui de Goiânia", disse, acrescentando os benefícios para a cidade.

O corredor de ônibus terá 21,8 quilômetros de extensão; vai percorrer 148 bairros da capital e da cidade vizinha Aparecida de Goiânia. Serão beneficiados 120 mil usuários por dia, de acordo com a prefeitura. Em horários de maior movimento, a capacidade de transporte será 15 mil passageiros.

As empresas terão 30 dias para iniciar as obras, a partir do recebimento da ordem de serviço. O prazo para a conclusão do empreendimento é um ano e oito meses, ou seja, a previsão é que esteja finalizado até o fim de 2016.

Serão gastos R$ 340 milhões na implantação do BRT, sendo R$ 210 milhões do governo federal, por meio do Programa de Aceleração do Crescimento Mobilidade Urbana e R$ 130 milhões recursos municipais.

Este foi o quarto evento oficial da presidenta Dilma depois das manifestações que levaram milhares de pessoas às ruas em todas as regiões do país. As três primeiras ocorreram em eventos no Palácio do Planalto, em Brasília. 

Obras do BRT Goiânia (GO) devem iniciar em 30 dias

23/03/2015 - Agência CNT de Noticias

Até a primeira quinzena de abril devem ter início duas frentes de trabalho para a construção do BRT (Bus Rapid Transit), em Goiânia (GO). A obra receberá R$ 340 milhões
 
Natalia Pianegonda

O corredor terá 21,8 quilômetros Norte-Sul e atenderá, de forma direta, 148 bairros da cidade com capacidade para transportar 120 mil pessoas por dia. A projeção é que o BRT fique pronto em dois anos e a meta é que, quando concluída, a nova alternativa de transporte reduza o tempo de viagem e as emissões de gases poluentes, além de retirar parte dos veículos que circulam diariamente pelas ruas da cidade.
 
Conforme dados apresentados pela prefeitura, somente entre janeiro e julho do ano passado, mais 20 mil veículos foram incorporados à frota de Goiânia, que já conta com mais de 1,1 milhão de unidades. Em média, são 257 novos carros ou motos transitando pelas ruas da cidade todos os dias.
 
O custeio é proveniente de do Pacto pela Mobilidade, lançado pelo governo federal em 2013, com contrapartida do município. No orçamento total, estão incluídas 65 desapropriações de imóveis que serão necessárias à implantação da via exclusiva para ônibus, investimentos em Tecnologia da Informação, supervisão da obra do BRT e reestruturação da sinalização viária adjacente.
 
De acordo com a NTU (Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos), existem 61 projetos de BRT em implantação no Brasil.