segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Goiânia: Metrobus recebe novos ônibus para as extensões do Eixo

10/11/2014 - Metrobus

A Metrobus recebeu nesta segunda-feira (10) mais seis novos ônibus articulados que irão operar nas extensões do Eixo para Trindade, Goianira e Senador Canedo. Até o fim desta semana, mais quatro veículos, também articulados, se somarão a esta frota.

Já são 36 novos ônibus adquiridos pelo governo do Estado para as extensões, além dos outros 90 que foram comprados recentemente para a linha 001 do Eixo Anhanguera.

Tecnologia

Com tecnologia de ponta e inovadora, a nova frota é uma das mais modernas do mundo.

Os novos ônibus possuem elevadores acessíveis para portadores de necessidades especiais, portas à esquerda, que embarcam e desembarcam nas plataformas e portas à direita, niveladas ao solo, para que os passageiros tenham comodidade no embarque ao longo das rodovias.

segunda-feira, 9 de junho de 2014

Obras do BRT Norte/Sul começam no 2º semestre

15/05/2014 - Jornal O Hoje Online

O prefeito de Goiânia, Paulo Garcia (PT) assinou ontem convênio com a Caixa Econômica Federal (CEF) para liberação de recursos para a construção do BRT Norte/SUL. O Corredor exclusivo para ônibus terá mais de 21 quilômetros de extensão e cortará a capital, saindo do Terminal Recanto do Bosque, e indo até o Terminal Cruzeiro, na divisa com Aparecida de Goiânia. O contrato garante o repasse dos primeiros R$ 140 milhões de um total de R$ 320 milhões liberados pela instituição.

De acordo com o prefeito Paulo Garcia, o processo licitatório já está sendo montado. A empresa ganhadora deve ser conhecida no próximo mês e a ordem de serviço para execução deve ser assinada na segunda quinzena de julho. O prefeito espera que até meados de 2015, a segunda parcela do financiamento, de R$ 180 milhões,já possa ser liberada. Por ser um recurso federal, a liberação só é feita mediante o andamento da obra. O petista diz estar seguro de que a obra não será paralisada por falta de verba.

Além dos R$ 320 milhões da Caixa Econômica, as obras terão o aporte de R$ 70 milhões oriundos do Orçamento Geral da União. A prefeitura deve arcar com cerca de R$ 52 milhões, sendo que parte desse recurso deve ser usada para indenizações de famílias no processo de desapropriação. Segundo o coordenador da Unidade Executora do BRT, Ubirajara Abud, a obra deve desapropriar cerca de 28 mil metros quadrados. Para Paulo Garcia, não há risco de faltar recursos. "Temos tudo equacionado", resume.

De acordo com Abud, a Licitação para execução da obra, já em andamento, é exclusiva para a parte de infra-estrutura. A operação deve permanecer com as atuais empresas que operam o sistema de transporte coletivo da capital. "O contrato de concessão dessas empresas já prevê a operação em caso da construção de corredores exclusivos", explica. O prazo para conclusão da obra é de 24 meses, com carência de 30 meses para início do pagamento do financiamento da CEF, em 220 parcelas.

A estrutura

O projeto do BRT prevê o andamento de frentes de trabalhos em pelo menos quatro pontos da Capital. A intenção, segundo Abud, é realizar a obra por trechos, a fim de causar o menor impacto possível, sobretudo no trânsito das áreas exploradas. O contrato para execução da obra prevê que a empresa vencedora, junto com a Secretaria Municipal de Trânsito (SMT), deverá realizar estudos de caminhos alternativos. "Na verdade, já temos uma idéia de onde devem ser implantados esses desvios", diz Ubirajara.

O corredor BRT Norte/Sul deverá contar com seis terminais de integração, sendo três novos (nos Correios, na Rodoviária e na Perimetral), dois reconstruídos (Isidória e Recanto do Bosque) e um adaptado (Cruzeiro). O projeto prevê ainda 40 estações de embarque e desembarque, com atendimento a cerca de 140 mil usuários por dia. Paulo Garcia não descarta obras de continuidade no futuro. "Na verdade, a intenção, talvez até em outra gestão, é ligar Aparecida a Goianira", diz.

O Corredor exclusivo, com caneleta central, fará atendimento direto a 148 bairros de Goiânia e Aparecida. O projeto prevê iluminação e dispositivos de informação em tempo real para usuários sobre os horários dos ônibus, além de sensores e câmeras de monitoramento 24 horas por dia. O sistema deverá ser operado por ônibus articulados que terão velocidade entre 25 e 30 km/h. Hoje, a velocidade média é de 14 km/h.

O projeto prevê a construção de três trincheiras, uma na Avenida Rio Verde, uma na Rua 90 e outra na Avenida Goiás com a Perimetral Norte, área que concentra a maior parte dos 60 imóveis desapropriados. "Vai haver uma transformação total da área urbana por onde passar (o corredor)", diz Paulo Garcia. Iniciada a obra, a Caixa Econômica Federal vai liberando o valor em parcelas, a cada 30 dias.