segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

No 1º dia de corredor, confusão em Goiânia

01/02/2015 - O Popular - GO

Os motoristas que se locomoveram pelas Avenidas 85, S-1 e redondezas perceberam novidades e se confundiram com as novas regras de trânsito no local, com o primeiro dia de funcionamento do Corredor 85, com faixa preferencial para o transporte coletivo. Agentes da Secretaria Municipal de Trânsito, Transporte e Mobilidade (SMT) estiveram nos principais cruzamentos da avenida para orientação. Esta é apenas a primeira etapa da implantação do corredor e ainda passará por ajustes nos próximos dias.

Uma faixa de retenção ainda será pintada amanhã pela SMT no cruzamento da 85 com a Alameda Ricardo Paranhos, no sentido bairro-centro. Ontem pela manhã, os motoristas se confundiram sobre onde deveriam parar até que o semáforo indicasse a cor verde. O mesmo cruzamento, que ainda é composto pela Avenida Mutirão, é o principal ponto de preocupação dos técnicos da SMT e da Companhia Metropolitana de Transportes Coletivos (CMTC). Mas a equipe se surpreendeu com o pequeno número de reclamações no local.

A preocupação agora é com a trincheira que permite a conversão da Avenida 85 com a Avenida Coronel Joaquim de Bastos, no Setor Marista. Ela foi expandida durante as obras do corredor para suportar o volume de tráfego que sai da Avenida Mutirão e tinha como destino a Ricardo Paranhos. Como o acesso foi proibido, todo o fluxo vai para a 85 e os motoristas que querem acessar o Setor Marista devem utilizar a trincheira. Os técnicos vão observar o local durante essa semana para verificar se o problema foi resolvido.

A questão é que, pelos estudos técnicos, a trincheira deveria ser ainda maior, com mais 1,5 metro de comprimento, mas a obra não foi possível porque existe uma adutora da Saneago no local que é muito alta, saindo do canteiro. Se o problema persistir, ainda não há uma decisão tomada sobre o que vai ocorrer, mas uma das opções seria o alargamento da via na quadra entre as ruas T-11 e a T-59. Cerca de 1,5 metro da calçada seria retirada, com o afastamento dos postes de energia e do ponto de ônibus.

Além disso, a Prefeitura deve licitar o restante da obra ainda neste mês, que vai recapear toda a extensão de 7,2 quilômetros do corredor, implantar ciclovia e ciclorrota e construir calçadas sustentáveis. Todo o corredor está orçado em cerca de R$ 22,5 milhões. A CMTC estuda também qual será a solução dada aos ciclistas no cruzamento das Avenidas 85 e Mutirão, já que o canteiro central teve de ser suprimido para que houvesse espaço suficiente aos ônibus para manobrarem e acessar a Mutirão, cortando toda a via.

CONFUSÃO

Na manhã de ontem, a maioria dos condutores reclamou de perder uma faixa para os ônibus e por não poder seguir caminhos que já faziam, ao mesmo tempo em que usuários do transporte coletivo garantiram que vai haver melhoria, desde que a operação também melhore. O primeiro dia de funcionamento ocorreu em um sábado porque o fluxo de trânsito é menor e seria mais fácil se acostumar a trafegar pelo local, mas, ao mesmo tempo, o número de ônibus colocado para rodar também é menor, sobretudo porque as empresas concessionárias ainda operam em planilha de férias.

Os dois fatos geraram reclamações de motoristas, que argumentaram não haver necessidade de implantação dos corredores preferenciais já que não há ônibus para se locomover por eles. Enquanto os usuários disseram que deveria ter mais ônibus rodando para que a diferença fosse notada. O titular da SMT, José Geraldo Freire, argumentou que com a estrutura montada, as empresas concessionárias do transporte coletivo agora podem ampliar o fornecimento de viagens aos usuários, além de melhorar a rapidez e o fluxo dos ônibus no local.

Até por se tratar de um sábado, poucos ônibus foram vistos pelo corredor, o que gerou a irritação de motoristas, que não viam sentido em perder uma faixa de tráfego. A previsão é de que a partir de amanhã, o esquema especial de férias para o transporte coletivo se encerre, aumentando o número de ônibus nas ruas. O administrador Fernando Vicente de Morais, de 22 anos, esperava um ônibus da linha 004 há 15 minutos em frente ao Colégio Externato São José, e afirma que não trocaria o carro para andar de transporte público, mesmo com os corredores, na situação atual de Goiânia.

Ele só estava no ponto de ônibus ontem porque o seu carro estragou e afirma que o corredor do transporte coletivo deveria vir acompanhado de outras melhorias no sistema. Enquanto motorista, ele aponta que o cruzamento da 85 com a Mutirão é o local que mais ficou confuso na via, já que aumentou o fluxo de quem acessa a 85. A reportagem do POPULAR ouviu diversas reclamações de motoristas que preferiam continuar com a facilidade para acessar a Ricardo Paranhos.

Motoristas tentam fazer conversão proibida

Os motoristas ficaram confusos em diversos pontos do Corredor 85, com faixa preferencial para o transporte coletivo. O principal ponto de confusão foi no cruzamento da Avenida S-1 com a Avenida Laudelino Gomes, no Setor Serrinha, especialmente pela troca de sentido nas ruas Carlos Chagas e 1.112, assim como na 1.113, que é a continuação da S-1. A Secretaria Municipal de Trânsito, Transporte e Mobilidade (SMT) colocou agentes em cada esquina dessa região. O motorista que está na 1.113 e vai acessar a Rua Carlos Chagas não precisa mais parar no semáforo, respeitando apenas a sinalização de "Dê Preferência", mas os condutores paravam e esperavam o sinal ficar verde.

Já os motoristas que estavam na Avenida Laudelino Gomes reclamavam de ter apenas a opção de virar à direita e descer a Avenida 85, o que teria prejudicado o acesso à Avenida T-4 e ao Parque Amazônia. A solução é virar na T-13 e fazer a volta na quadra, acesando a T-14 e seguindo até a T-4. Outra confusão se dá na T-4, em que os condutores não sabiam como acessar as ruas internas em virtude dos semáforos e proibições. Por enquanto, os agentes da SMT não estão autuando os motoristas que cometem infrações, o que só deve passar a ocorrer no final de fevereiro, quando os aparelhos fotossensores forem instalados e auferidos.

A reportagem do POPULAR flagrou diversas conversões proibidas durante todo o percurso do Corredor 85, mas a infração mais usual ainda continua sendo o uso da faixa preferencial dos ônibus por parte de carros particulares. Os táxis também têm a permissão de usar as faixas. O titular da SMT, José Geraldo Freire, acredita que as infrações só vão diminuir com o início das autuações, quando as multas passarem a chegar aos condutores. "Isso também ocorreu com o Corredor T-63 e agora as pessoas estão respeitando mais", diz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário